Elisá - Wikiwand
For faster navigation, this Iframe is preloading the Wikiwand page for Elisá.

Elisá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O mundo como conhecido pelos Hebreus
O mundo como conhecido pelos Hebreus

Elisá foi o filho de Javã de acordo com o livro de Gênesis (10:4) e com o livro de Jasher rabínico medieval. No livro de Jasher ele é citado como o ancestral de "Almanim", possivelmente uma referência às tribos Germanicas (Alamanos). Uma tradição mais antiga e comum refere-se a ele como um colonizador da Grécia [1], particularmente Elis no Peloponeso. A Septuaginta grega de Gênesis 10 lista Elisa não apenas como o filho de Javã, mas também entre os filhos de Jafé, possivelmente um erro do copista.

A mitologia Lusitana afirma-o (sob o nome Lysias/Lísias[2]) tradicionalmente e actualmente como um antepassado e predecessor de Luso[3] embora isto seja muito debatido[4]. O orador e mitógrafo Português Padre António Vieira refere-se a Elisá (sob o seu verdadeiro nome bíblico) como fundador e epónimo de Lisboa e Lusitânia (quando ele veio à Ibéria com o seu tio Túbal), assim como a origem do nome dos mitológicos Elísios.[5][6] Deve ser notado que esta ligação ibérica faria sentido se o seu irmão Társis pode ser correctamente identificado como o fundador de Tartessos na Andaluzia, e assim ambos teriam vindo à Ibéria com Túbal (embora esta não seja a única teoria sobre a identidade de Társis[7]. Elisá neste retrato português é identificado com o capitão de Baco Lysias/Lísias, às vezes também com Luso e Foroneu[8] e é referido como o fundador de Portalegre e estando enterrado na Ermida de São Cristovão dentro da vila[9]. Uma possível solução destas versões conflituosas seria considerar um Lysias inicial, Elisá (talvez o fundador de Portalegre em 1900 B.C.) e Luso (tendo como pai mortal o rei Siceleo da Ibéria, neto de Atlante/Atlas, fundador da Atlântida[10], um possível descendente de Elisá, e possivelmente tendo Baco como o seu pai real e divino) como vindo entre este e outro Lysias filho de Baco (o filho de Sêmele que conquistou Espanha, não o filho de Júpiter e Io que conquistou a Índia ou o filho de Júpiter e Proserpina que foi um herói cultural agrário e pecuário[11]), que era de casta diferente mas com a semelhança de nome com o anterior afirmou ser a sua reencarnação e tornou-se o novo rei separado dos Lusitanos desde Luso[12].

O historiador Judeu Flávio Josefo relacionou os descendentes de Elisá com os Halizões (eólios), um dos ramos ancestrais dos gregos [13].

Outros[14] identificaram Elisá com Chipre. Em tempos antigos a ilha ou parte dela era conhecida como Alaxia.

Referências

  1. A view of ancient geography and ancient history: Accompanied with an atlas of ten select maps, calculated for the use of seminaries, &c, Robert Mayo, Robert Mayo, Volume 340 Harvard social studies textbooks preservation microfilm project, Published and sold by John F. Watson, no. 51 Chestnut Street, A. Fagan Printer, 1813, Universidade de Michigan, p. 153
  2. Portugal Terra de Mistérios, Paulo Alexandre Loução, p.283
  3. enquanto Elisá seria mais velho e chegou acompanhando o seu tio Túbal (fundando Portalegre em 1900 BC sob o rei Ibérico Brigo, ver Portalegre, *** Carlos Leite Ribeiro *** Distritos e Concelhos de Portugal, Portalegre, distoedakilo[ligação inativa], Portalegre Arquivado em 2012-07-13 no Archive.is. O próprio túmulo de Lysias afirma que ele foi o primeiro "cultor" da Lusitânia, Dialogos de dom Frey Amador Arraiz Bispo de Portalegre, p. 21) O reinado de Luso é posto tradicionalmente nos séculos XVI-XV a.C., como no Livro Primeiro da Monarchia Lusitana, Frei Bernardo de Brito, Capítulo XV
  4. Luso pode também ser descrito como vindo antes de Lysias demasiado tarde para ser Elisá, como no Livro Primeiro da Monarchia Lusitana de Frei Bernardo de Brito, Capítulo XVIII, pg. 240, os Dialogos de dom Frey Amador Arraiz Bispo de Portalegre, p. 21, Defensam da monarchia Lvsitana, Volumes 1-2, Bernardino da Silva, pp. 36 - 37, e Ulyssipo, António de Sousa de Macedo, p. 29- 30, ou vagamente ao mesmo tempo ou sendo o mesmo sob nomes diferentes, como no Portugal Terra de Mistérios de Paulo Alexandre Loução, p. 283. É também discutido se Luso foi um filho de Baco e da linhagem de Lysias, ao contrário, ou um mero companheiro. Para a discussão ver Livro Primeiro da Monarchia Lusitana, Frei Bernardo de Brito, pp. 242 - 243
  5. Cartas do padre Antonio Vieira - Volumes 1-4 de Cartas do padre Antonio Vieira, J.M.C. Seabra & T.Q. Antunes, 1854, p. 114
  6. Dicionário do nome das terras - origens,curiosidades e lendas das terras de portugal, João Fonseca, Cruz Quebrada/Casa das letras, 2007. Entry Lisboa
  7. Historiantes: Tarsis y Tartesos
  8. Portugal Terra de Mistérios, Paulo Alexandre Loução, p. 283
  9. Dialogos de dom Frey Amador Arraiz Bispo de Portalegre, p. 21
  10. Livro Primeiro da Monarchia Lusitana, Frei Bernardo de Brito, Capítulos XIV - XVII
  11. Livro Primeiro da Monarchia Lusitana, Frei Bernardo de Brito, p. 237 - 238
  12. Livro Primeiro da Monarchia Lusitana, Frei Bernardo de Brito, p. 240
  13. The works of Flavius Josephus: the learned and authentic Jewish historian and celebrated warrior, to which are added, three dissertations, concerning Jesus Christ, John the Baptist, James the Just, God's command to Abraham, etc. with an index to the whole, Volume 1, traduzido por William Whiston, Editora Lackington, Allen and co., 1806, Universidade de Princeton
  14. The expansion of the Greek world, eighth to sixth centuries B.C., John Boardman, Volume 3 Cambridge Ancient History, Cambridge University Press, 1982, ISBN 0521234476, 9780521234474


Árvore genealógica baseada em Gênesis:

Noé
Sem
Cam
Jafé
Gômer
Magogue
Madai
Javã
Tubal
Meseque
Tiras
Elisá
Társis
Quitim
Dodanim


{{bottomLinkPreText}} {{bottomLinkText}}
Elisá
Listen to this article