Árabe bagdadiano - Wikiwand
For faster navigation, this Iframe is preloading the Wikiwand page for Árabe bagdadiano.

Árabe bagdadiano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Esta página cita fontes confiáveis, mas que não cobrem todo o conteúdo. Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico) (Junho de 2020)
Árabe baghdadi
Falado em:  Iraque
Região: Iraque, Síria Oriental, Kuwait, partes da Arábia Oriental, Província iraniana de Cuzestão
Total de falantes: 15,7 milhões (2014)
Família: Semítica
 Ocidental
  Central
   Centro-meridional
    Árabe
     Árabe iraquiano
      Árabe baghdadi
Escrita: Alfabeto árabe
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: acm
ISO 639-3: acm
Em vermelho, o árabe bagdadiano
Em vermelho, o árabe bagdadiano

O árabe bagdadiano ou árabe muçulmano baghdadi é uma variante do árabe mesopotâmico falada em Bagdá, a capital do Iraque.[1][2] Durante o século XX, tornou-se a língua franca do país, utilizada principalmente no comércio e na educação.

Uma característica sociolinguística interessante do árabe baghdadi é a existência de três subdialetos distintos: o árabe muçulmano bagdadiano, o árabe judeu bagdadiano e o árabe cristão bagdadiano.[1] O árabe muçulmano bagdadiano pertence a um grupo chamado dialetos gilit, enquanto o árabe judeu bagdadiano e o árabe cristão bagdadiano pertencem aos dialetos qeltu - ou seja, estes dois estão ligado à variante mesopotâmio setentrional falada ao norte do país do que com o árabe iraquiano (também conhecido como mesopotâmio meridional).[1] Esta é uma das razões para o árabe muçulmano de Bagdá ser considerado como árabe iraquiano padrão.

Até a década de 1950, o árabe baghdadi continha um grande estoque de termos tomados do inglês, do turco, do persa ou do curdo.[1] Também deve ser mencionada a inclusão de elementos mongóis e turcos na variante árabe de Bagdá, devido ao papel político de uma sucessão de dinastias mongol-turcas na história do Iraque depois que a cidade foi invadida por colonizadores mongol-turcos em 1258 que fez o Iraque se tornar parte do Ilcanato.

Durante as primeiras décadas do século XX, quando a população de Bagdá era inferior a um milhão de habitantes, alguns bairros centrais da cidade tinham suas próprias características distintas de fala mantidas por gerações. Desde a década de 1960, com o movimento populacional dentro da cidade e o influxo de um grande número de pessoas vindas principalmente do sul, o árabe bagdadiano tornou-se mais padronizado e passou a incorporar algumas características de dialetos beduínos rurais e tomou emprestado termos do árabe moderno padrão.[1]

Características distintas do árabe muçulmano baghdadi incluem o uso de 'ani' em oposição ao fusha 'ana' que significa 'eu sou/estou' e a adição do sufixo 'ich' a verbos com objetos femininos diretos, por exemplo 'ani gilitlich' significa 'eu te disse', enquanto os falantes do árabe mesopotâmio setentrional dizem: 'ana qeltolki'.

Referências

  1. a b c d e Hann, Geoff, 1937- author. (7 de agosto de 2015). Iraq : the ancient sites & Iraqi Kurdistan : the Bradt travel guide. [S.l.: s.n.] ISBN 9781841624884. OCLC 880400955 
  2. «Vocalic labialization in Baghdadi Arabic: Representation and computation». Science Direct. Consultado em 23 de junho de 2020 
Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.vde
{{bottomLinkPreText}} {{bottomLinkText}}
Árabe bagdadiano
Listen to this article