Artur de Oliveira - Wikiwand
For faster navigation, this Iframe is preloading the Wikiwand page for Artur de Oliveira.

Artur de Oliveira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Artur de Oliveira
Nascimento 11 de agosto de 1851
Porto Alegre, São Pedro do Rio Grande do Sul,
Império do Brasil
Morte 21 de agosto de 1882 (31 anos)
Rio de Janeiro, Município Neutro,
Império do Brasil
Nacionalidade
brasileiro
Ocupação Cronista, professor e poeta
Escola/tradição Romantismo

Artur de Oliveira (Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 11 de agosto de 1851Rio de Janeiro, 21 de agosto de 1882), foi um jornalista e professor brasileiro, patrono da cadeira n.º 3 da Academia Brasileira de Letras.

Biografia

Filho de João Domingos de Oliveira e Maria Angélica de Oliveira, aos dezesseis anos vai para o Rio de Janeiro, onde frequenta os meios literários da época, travando amizade com Machado de Assis e outros intelectuais[1]. Reprovando a vida boêmia que o filho mantinha na Corte, João Domingos de Oliveira envia-o para o Colégio do Caraça, em Minas Gerais, onde passa pouco menos de um ano[2].Não logrando ingressar na Faculdade de Direito do Recife, o pai, desejando vê-lo formado em ciências jurídicas, envia-o à Europa[3] onde, sobretudo em Paris, mantém contato com alguns dos artistas mais consagrados da época - entre eles Théophile Gautier, Leconte de Lisle, Victor Hugo e Gustave Doré[4]. Tornando-se escassos os recursos paternos, Artur de Oliveira, após passar algum tempo em Berlim e em Paris, retorna ao Brasil em 1872[5].

Conquanto nunca tenha publicado poesias, atribui-se a Artur de Oliveira o papel de ser um dos introdutores do Parnasianismo no Brasil, pelo fato de, regressando ao país, ter compartilhado no meio literário carioca os ideais artísticos em voga na Europa de então. Sobre essa influência, consignou Manuel Bandeira:

Artur de Oliveira, curioso tipo de boêmio, que quase nada produziu, mas tendo residido algum tempo em Paris, exerceu de volta enorme fascinação sobre o meio literário brasileiro, para o qual foi sem dúvida o revelador da corrente parnasiana já dominante em França.

Após um casamento mal-sucedido[6] e uma tentativa malograda de tentar ganhar a vida com o magistério no interior da Província do Rio de Janeiro[7], Artur de Oliveira regressa à Corte, onde obtém uma colocação de professor interino de Português e história literária no Colégio Pedro II[8]. Com a saúde minada pela tuberculose, Artur falece no Rio de Janeiro, em 21 de agosto de 1882, aos 31 anos[9]. Quatorze anos depois, por ocasião da fundação da Academia Brasileira de Letras, o escritor luso-brasileiro Filinto de Almeida[10] escolhe Artur de Oliveira como patrono da cadeira n.º 3 daquele silogeu.

Referências

  1. Souto, Luiz Felipe Vieira (1935). Civilização Brasileira, ed. Artur de Oliveira - Ensaio Biográfico. Rio de Janeiro: [s.n.] p. 26 
  2. ibidem. [S.l.: s.n.] p. 27  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  3. ibidem. [S.l.: s.n.] p. 63  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  4. ibidem. [S.l.: s.n.] p. 69; 76-77  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  5. ibidem. [S.l.: s.n.] p. 80-85  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  6. ibidem. [S.l.: s.n.] p. 101  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  7. ibidem. [S.l.: s.n.] p. 91-95  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  8. ibidem. [S.l.: s.n.] p. 109-113  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  9. ibidem. [S.l.: s.n.] p. 123  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  10. ibidem. [S.l.: s.n.] p. 180  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
{{bottomLinkPreText}} {{bottomLinkText}}
Artur de Oliveira
Listen to this article