For faster navigation, this Iframe is preloading the Wikiwand page for Benoît Mandelbrot.

Benoît Mandelbrot

Esta página cita fontes, mas estas não cobrem todo o conteúdo. Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico) (Abril de 2017)
Benoît Mandelbrot
Conjunto de Mandelbrot
Nascimento 20 de novembro de 1924
Varsóvia
Morte 14 de outubro de 2010 (85 anos)
Cambridge
Nacionalidade Francês
Cidadania Polónia, França, Estados Unidos
Cônjuge Aliette Kagan
Alma mater École Polytechnique, Instituto de Tecnologia da Califórnia, Universidade de Paris
Ocupação matemático, economista, professor, cientista, escritor, cientista de computação, engenheiro
Prêmios Medalha Barnard (1985), Medalha Franklin (1986), Prémio Harvey (1989), Prêmio Wolf de Física (1993), Prêmio Japão (2003)
Empregador IBM, Universidade Yale, Instituto de Estudos Avançados de Princeton, Université Lille Nord de France, Centre National de la Recherche Scientifique
Orientador(es) Paul Pierre Lévy[1]
Orientado(s) Eugene Fama, Ken Musgrave, Murad Taqqu
Instituições Universidade Yale, IBM
Campo(s) Matemática
Tese 1952: Contribution à la théorie mathématique des communications
Obras destacadas The Fractal Geometry of Nature, conjunto de Mandelbrot
Causa da morte cancro do pâncreas
Mandelbrot foi o primeiro a usar o computador para construir fractais
Mandelbrot foi o primeiro a usar o computador para construir fractais

Benoît B. Mandelbrot (Varsóvia, 20 de novembro de 1924Cambridge, 14 de outubro de 2010)[2] foi um matemático francês de origem judaico-polonesa. É conhecido principalmente por suas contribuições no campo da geometria fractal, tendo o termo "fractal" sido por ele cunhado em 1975. Foi aluno do matemático francês Paul Lévy.

Biografia

Benoit B. Mandelbrot foi um matemático de origem polonesa, com nacionalidade francesa e americana, notável pelo desenvolvimento de uma "teoria da rugosidade" e "autossimilaridade" da natureza e no campo da geometria fractal. Descobridor do fractal atualmente conhecido como conjunto de Mandelbrot que consiste de intrincados, intermináveis ​​formas fractais.

Em 1936, quando Mandelbrot tinha 11 anos de idade, sua família migrou para a França. Estudou em Paris até o início da Segunda Guerra Mundial, quando mudou-se para Tulle. Ao fim da guerra, Mandelbrot retornou a Paris e entre 1945 e 1947 estudou na École Polytechnique sob a supervisão de Gaston Julia e Paul Lévy. Entre 1947 e 1949 estudou no Instituto de Tecnologia da Califórnia, Estados Unidos, tendo obtido o grau de mestre em aeronáutica. Retornando à Europa, obteve o doutorado em ciências matemáticas na Universidade de Paris em 1952.

Passou a maior parte de sua carreira, tanto nos Estados Unidos e na França, tendo a cidadania francesa e americana dual. Em 1958 começou uma carreira de 35 anos na IBM.

Por causa de seu acesso aos computadores da IBM, Mandelbrot foi um dos primeiros a usar computação gráfica para criar e exibir imagens geométricas fractais, levando à sua descoberta da Mandelbrot em 1979. Ao fazer isso, ele foi capaz de mostrar como a complexidade visual pode ser criado a partir de regras simples. Ele disse que as coisas normalmente consideradas "agitadas", ''uma bagunça" ou "caóticas", como nuvens ou costas, na verdade, teve um "grau de ordem". Sua carreira de investigação incluiu contribuições para áreas como geologia, medicina, cosmologia, engenharia e as ciências sociais. O escritor de Ciência Arthur C. Clarke acredita que o trabalho de Mandelbrot como sendo "uma das descobertas mais surpreendentes de toda a história da matemática".

No final de sua carreira, ele foi um Sterling Professor de Ciências Matemáticas na Universidade de Yale, sendo o professor mais antigo na história de Yale a receber esse posto permanente. Mandelbrot também ocupou cargos no Pacific Northwest National Laboratory, Université Lille Nord de France, Instituto de Estudos Avançados e Centre National de la Recherche Scientifique. Durante sua carreira, ele recebeu mais de 15 doutorados honorários e atuou em muitas revistas científicas, ganhando inúmeros prêmios. Sua autobiografia, The Fractalist, foi publicada em 2012.

Referências

  1. Benoît Mandelbrot (em inglês) no Mathematics Genealogy Project
  2. (em inglês)«'Fractal' mathematician Benoit Mandelbrot dies aged 85». "BBC". 17 de outubro de 2010. Consultado em 18 de outubro de 2010 

Ver também

Referências

Ligações externas

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Benoît Mandelbrot


Precedido por
George Claude Pimentel
Medalha Franklin
1986
Sucedido por
Stanley Cohen
Precedido por
Joseph Hooton Taylor
Prêmio Wolf de Física
1993
Sucedido por
Vitaly Ginzburg e Yoichiro Nambu


Este artigo sobre um(a) matemático(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.vde
{{bottomLinkPreText}} {{bottomLinkText}}
Benoît Mandelbrot
Listen to this article

This browser is not supported by Wikiwand :(
Wikiwand requires a browser with modern capabilities in order to provide you with the best reading experience.
Please download and use one of the following browsers:

This article was just edited, click to reload
This article has been deleted on Wikipedia (Why?)

Back to homepage

Please click Add in the dialog above
Please click Allow in the top-left corner,
then click Install Now in the dialog
Please click Open in the download dialog,
then click Install
Please click the "Downloads" icon in the Safari toolbar, open the first download in the list,
then click Install
{{::$root.activation.text}}

Install Wikiwand

Install on Chrome Install on Firefox
Don't forget to rate us

Tell your friends about Wikiwand!

Gmail Facebook Twitter Link

Enjoying Wikiwand?

Tell your friends and spread the love:
Share on Gmail Share on Facebook Share on Twitter Share on Buffer

Our magic isn't perfect

You can help our automatic cover photo selection by reporting an unsuitable photo.

This photo is visually disturbing This photo is not a good choice

Thank you for helping!


Your input will affect cover photo selection, along with input from other users.