Crítica da Filosofia do Direito de Hegel - Wikiwand
For faster navigation, this Iframe is preloading the Wikiwand page for Crítica da Filosofia do Direito de Hegel.

Crítica da Filosofia do Direito de Hegel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Crítica da Filosofia do Direito de Hegel (em alemão: Zur Kritik der Hegelschen Rechtsphilosophie) é um manuscrito do filósofo político Karl Marx de 1843, publicado postumamente. Apenas a introdução — escrita por Marx entre dezembro de 1843 e janeiro de 1844 — foi publicada nos Deutsch-Französische Jahrbücher ('Anais Franco-Alemães') entre os dias 7 e 10 de fevereiro de 1844.[1]

No manuscrito, Marx discorre sobre o livro Princípios da Filosofia do Direito de Georg Wilhelm Friedrich Hegel, de 1820, parágrafo por parágrafo. Uma das maiores críticas de Marx a Hegel no documento é o fato de que muitos dos seus argumentos dialéticos iniciam-se com abstrações. Neste trabalho se encontra a famosa máxima sobre religião: " é o ópio do povo". [1][2]Além disso, o texto contém formulações de Marx sobre a teoria da alienação, que, por sua vez, foi inspirada nos trabalhos de Ludwig Feuerbach.

Ver também

Referências

Crítica da Filosofia do Direito de Hegel (em português)


Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.vde
{{bottomLinkPreText}} {{bottomLinkText}}
Crítica da Filosofia do Direito de Hegel
Listen to this article