Manuel Pinto Coelho - Wikiwand
For faster navigation, this Iframe is preloading the Wikiwand page for Manuel Pinto Coelho.

Manuel Pinto Coelho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Manuel Pinto Coelho
Manuel Pinto Coelho

Manuel Ferreira Pinto Coelho (Lisboa, Mercês, 26 de julho de 1948), é um médico e autor português.

Biografia

Licenciado em Medicina e Cirurgia pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, em 1972, Manuel Pinto Coelho assume a direcção da Clínica Doutor Pinto Coelho desde 2015. Com Doutoramento cum laude em Ciências da Educação pela UTAD – Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, em Novembro de 2011, tem pós-graduação em Medicina Anti-Envelhecimento pela Universitat Autònoma de Barcelona, em 2014. É membro com Great Distinction da WOSAAM – World Society of Anti-Aging Medicine desde 2016 e da 4AM – American Academy of Anti-Aging Medicine, desde 2015.

Assumiu funções como responsável médico pela equipa de futebol profissional do Grupo Desportivo Estoril-Praia, entre 1980 e 1981, e pela equipa de futebol profissional do Sporting Clube de Portugal, entre 1981 e 1982. Entre 1991 e 2003 foi responsável clínico pelas clínicas de Recuperação de Toxicodependentes Dr. Manuel Pinto Coelho, em Galamares e em Gondomar. De Agosto de 2002 a Janeiro de 2004 foi consultor para a área da toxicodependência na Câmara Municipal de Lisboa. Assumiu ainda funções como médico pessoal do Primeiro Ministro de Portugal, Pedro Santana Lopes, entre Julho de 2004 e Fevereiro de 2005. Desistiu da militância do Partido Social-Democrata após saber que o partido preparava uma iniciativa para abrir uma "sala de chuto (en)" em Lisboa[1] — Manuel Pinto Coelho trabalhou muitos anos na área de recuperação de toxicodependentes; presidiu e foi fundador da Associação Portugal Livre de Drogas, e chegou a ser apontado pelo governo de Durão Barroso para presidir ao Instituto da Droga e da Toxicodependência (o que gerou polémica e não chegou a concretizar-se).[2]

Pinto Coelho notabilizou-se enquanto proponente de várias teorias pseudocientíficas, nomeadamente a dieta alcalina, o intestino poroso, a terapia anti-envelhecimento com hormona do crescimento (en), os benefícios da ingestão diária de água do mar, a exposição solar sem proteção, ou a suspensão das estatinas na maioria dos casos de hipercolesterolemia.[3] Manuel Pinto Coelho publicou inúmeros livros sobre o assunto, nomeadamente os bestsellers Chegar Novo a Velho, citando como principais fontes a Life Extension Foundation (en), a World Society of Anti-Aging Medicine, a American Academy of Anti-Aging Medicine (en), e os proponentes de medicinas alternativas Joseph Mercola (en), e Lair Ribeiro.[1]

Manuel Pinto Coelho já foi alvo de três procedimentos disciplinares pela Ordem dos Médicos, um deles aberto pelo Bastonário José Manuel Silva, e dois em 2017 na sequência de afirmações que fez num programa televisivo e em entrevista ao jornal Expresso;[4] em resposta a esta última, o Conselho Nacional da Ordem dos Médicos redigiu uma nota de imprensa onde afirmou "discordar frontalmente de várias das afirmações produzidas pelo Dr. Manuel Pinto Coelho, que podem constituir um atentado à saúde dos doentes e da comunidade".[5]

Bibliografia

Publicou as obras Chegar Novo a Velho, Chegar Novo a Velho, Receitas, Hormonas: o Sumo da Vida, e Colesterol: Mitos e Realidade da Prime Books, com mais de 100 mil livros vendidos. Assina ainda cinco obras - Toxicomania: A Liberdade Começa no Corpo, edição Correio da Manhã, em 1986, Toxicodependência: A Liberdade Começa no Corpo, edição Fim do Século, em 1996, Ser Herói para a Heroína, edição Editorial Notícias, em 2001, Um Portugal Livre de Drogas, edição Gradiva, em 2004, e Dedo na Ferida, edição Prime Books, em 2011.

Referências

Este artigo sobre um médico é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
{{bottomLinkPreText}} {{bottomLinkText}}
Manuel Pinto Coelho
Listen to this article