For faster navigation, this Iframe is preloading the Wikiwand page for Ismail de Marrocos.

Ismail de Marrocos

Esta página cita fontes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico) (Maio de 2015)
Ismail
Sultão de Marrocos
Reinado 1672-1727
Antecessor(a) Arraxide
Sucessor(a) Abulabás Amade
 
Morte março de 1727
  Mequinez
Dinastia alauita
Religião Islamismo

Ismail (m. março de 1727, Mequinez), nascido Ismail ibne Xarife, foi mulei e sultão de Marrocos da dinastia alauita, reinando entre 1672 a 1727. Foi antecedido por seu irmão Arraxide e sucedido por seu filho Abulabás Amade.[1][2] Teve, segundo se crê, 500 esposas e um total de 888 filhos (548 rapazes e 340 raparigas). Mandou construir uma cidade, Mequinez, para servir de capital, que é por vezes chamada «Versalhes de Marrocos», por causa da sua extravagância.

Durante o reinado de Ismail, a capital de Marrocos foi transferida de Marraquexe para Mequinez. Inspirado pelo rei Luís XIV de França, Ismail iniciou a construção de um elaborado palácio imperial e outros monumentos. No seu auge, o império de Ismail estendeu-se desde a atual Argélia até à Mauritânia.

Ismail é famoso como uma das figuras marcantes da história de Marrocos, bem conhecido pela sua crueldade lendária. Para intimidar tribos rivais, ordenou que os muros da cidade fossem «adornados» com 10 000 cabeças de inimigos assassinados. Lendária é a facilidade com que condenava à decapitação ou à tortura os criados que considerava preguiçosos. Nos 20 anos do regime de Ismail, cerca de 30 000 morreram como consequência de suas decisões.

Ismail usou cerca de 25 000 prisioneiros cristãos e 30 000 criminosos comuns como trabalhadores escravos na construção da sua grande cidade. Foram capturados mais de 16 000 escravos da África subsaariana para servir a sua guarda negra de elite. Pela altura da morte de Ismail, a guarda crescera para o décuplo, o maior exército da história marroquina.

Túmulo de Ismail
Túmulo de Ismail

Após a sua morte, seu neto Maomé III transferiu a capital de volta a Marraquexe, e retirou de Mequinez uma boa parte das suas riquezas para construir uma nova cidade imperial. O grande Mausoléu de Ismail está aberto mesmo a não muçulmanos como testemunho da grandeza deste déspota.

Referências

Bibliografia

  • Editores (1998). «Ismāʿīl». Britânica Online 
  • Terrasse, H. (1986). «Alawis». In: Hertzfeld, E. Encyclopaedia of Islam 3 (Second ed.). Leida: BRILL. ISBN 9789004081185 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Ismail de Marrocos
{{bottomLinkPreText}} {{bottomLinkText}}
Ismail de Marrocos
Listen to this article

This browser is not supported by Wikiwand :(
Wikiwand requires a browser with modern capabilities in order to provide you with the best reading experience.
Please download and use one of the following browsers:

This article was just edited, click to reload
This article has been deleted on Wikipedia (Why?)

Back to homepage

Please click Add in the dialog above
Please click Allow in the top-left corner,
then click Install Now in the dialog
Please click Open in the download dialog,
then click Install
Please click the "Downloads" icon in the Safari toolbar, open the first download in the list,
then click Install
{{::$root.activation.text}}

Install Wikiwand

Install on Chrome Install on Firefox
Don't forget to rate us

Tell your friends about Wikiwand!

Gmail Facebook Twitter Link

Enjoying Wikiwand?

Tell your friends and spread the love:
Share on Gmail Share on Facebook Share on Twitter Share on Buffer

Our magic isn't perfect

You can help our automatic cover photo selection by reporting an unsuitable photo.

This photo is visually disturbing This photo is not a good choice

Thank you for helping!


Your input will affect cover photo selection, along with input from other users.