A Organização do Tratado de Varsóvia[1] (OTV), oficialmente o Tratado de Amizade, Cooperação e Assistência Mútua,[2] comumente conhecido como Pacto de Varsóvia (PV),[3] foi uma aliança militar assinada em Varsóvia, Polônia, entre a União Soviética e sete outras repúblicas socialistas do Bloco Oriental da Europa Central e Oriental em maio de 1955, durante a Guerra Fria. O Pacto de Varsóvia foi o complemento militar do Conselho para Assistência Econômica Mútua (CoMEcon), a organização econômica regional dos Estados socialistas europeus. O acordo foi criado em reação à integração da Alemanha Ocidental na Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN)[4][5][6][7] em 1955, conforme as Conferências de Londres e Paris de 1954.[8][9][10] [11][12][13]

Quick facts: Pacto de Varsóvia...
Pacto de Varsóvia
Pacto de Varsóvia
Emblema do Pacto de Varsóvia.
No círculo, lê-se: "União da Paz e do Socialismo."

Estados-membros do Pacto de Varsóvia.
Lema "Союз мира и социализма (russo) - "união de paz e socialismo""
Tipo Aliança militar
Fundação 14 de maio de 1955
Extinção 1 de julho de 1991
Sede Moscou,  União Soviética
Membros Bulgária

Checoslováquia
Alemanha Oriental
Hungria
Polónia
Roménia
União Soviética
Albânia (retirou-se em 1968)

Close

Dominado pela União Soviética, o Pacto de Varsóvia foi estabelecido como um equilíbrio de poder ou contrapeso à OTAN.[14][15] Não houve confronto militar direto entre as duas organizações; em vez disso, o conflito foi travado numa base ideológica e em guerras por procuração. Tanto a OTAN como o Pacto de Varsóvia levaram à expansão das forças militares e à sua integração nos respectivos blocos.[15] Seu maior envolvimento militar foi a invasão da Tchecoslováquia pelo Pacto de Varsóvia em agosto de 1968 (com a participação de todas as nações do Pacto, exceto Albânia e Romênia),[14] que, em parte, resultou na retirada da Albânia do Pacto menos de um mês depois. O Pacto começou a se desfazer com a propagação das Revoluções de 1989 pelo Bloco Oriental, começando com o Movimento Solidariedade na Polônia,[16] seu sucesso eleitoral em junho de 1989 e o Piquenique Pan-Europeu em agosto de 1989.[17]

A Alemanha Oriental retirou-se do Pacto após a reunificação alemã em 1990. Em 25 de fevereiro de 1991, em uma reunião na Hungria, o Pacto foi declarado encerrado pelos ministros da Defesa e das Relações Exteriores dos seis estados membros restantes. A própria URSS foi dissolvida em dezembro de 1991, embora a maioria das ex-repúblicas soviéticas tenham formado a Organização do Tratado de Segurança Coletiva pouco depois. Nos 20 anos seguintes, os países do Pacto de Varsóvia fora da URSS aderiram à OTAN (Alemanha Oriental por meio de sua reunificação com a Alemanha Ocidental; e a República Tcheca e a Eslováquia como países separados), assim como os Estados bálticos que faziam parte da União Soviética.