Paradigma do grupo mínimo - Wikiwand
For faster navigation, this Iframe is preloading the Wikiwand page for Paradigma do grupo mínimo.

Paradigma do grupo mínimo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O paradigma de grupo mínimo é uma metodologia empregada na psicologia social. [1] [2] [3] Embora possa ser usado para uma variedade de propósitos, é mais conhecido como um método para investigar as condições mínimas exigidas para que a discriminação ocorra entre os grupos. Experiências usando essa abordagem revelaram que até mesmo distinções arbitrárias entre grupos, tais como preferências por certas pinturas[4] ou a cor de suas camisas,[5] podem desencadear uma tendência de favorecer o próprio grupo em detrimento de outros, mesmo quando significa sacrificar o ganho em grupo[6][7][8][9]

Metodologia

Embora existam algumas variações, o experimento original do grupo mínimo consiste em duas fases. Na primeira fase, os participantes são divididos aleatoriamente e anonimamente em dois grupos (por exemplo, "Grupo A" e "Grupo B"), ostensivamente com base em critérios triviais (por exemplo, preferência por pinturas ou o lançamento de uma moeda). Às vezes, esses participantes são estranhos um ao outro. Na segunda fase, os participantes participam de uma tarefa de distribuição de recursos não relacionada à anterior. Durante esta tarefa, os participantes distribuem um recurso (por exemplo, dinheiro ou pontos) entre outros participantes que são identificados apenas pelo número de código e associação de grupo (por exemplo, "participante número 34 do Grupo A"). Os participantes são informados de que, após a conclusão da tarefa, eles receberão o valor total do recurso que lhes foi alocado pelos outros participantes.

O principal objetivo dos procedimentos no paradigma de grupo mínimo é excluir influências diretas ou "objetivas" da situação. No contexto do favoritismo em grupo, o anonimato das identidades pessoais dos participantes exclui a influência do favoritismo interpessoal. A omissão do "eu" como receptor na tarefa de distribuição de recursos exclui a influência do interesse próprio pessoal direto. A ausência de qualquer ligação entre o ganho total do grupo e o ganho individual exclui a influência da concorrência realista.[10] Finalmente, a ausência de hierarquias de status intergrupais, juntamente com a trivialidade e o conteúdo social mínimo dos grupos, exclui a influência da discriminação normativa ou consensual.[11]

Desenvolvimento

Henri Tajfel e seus colegas originalmente desenvolveram o paradigma de grupo mínimo no início dos anos 70 como parte de sua tentativa de entender a base psicológica da discriminação intergrupal.[12] A intenção de Tajfel era criar grupos com o mínimo de significado possível e depois acrescentar significado para descobrir em que ponto a discriminação ocorreria. [13] A descoberta surpreendente foi que, mesmo nas condições de grupo mais mínimas, ocorreram respostas favoráveis ao grupo interno. [6] Embora Tajfel e colegas originalmente tenham explicado a mínima discriminação de grupo em termos de uma norma genérica para competição social que existe em todas as sociedades,[6] essa explicação foi mais tarde considerada “desinteressante” e não oferecendo qualquer poder preditivo ou explicativo real.[7] [14] Tajfel desenvolveu a explicação motivacional da teoria da identidade social. Na teoria da identidade social, acredita-se que as pessoas atribuem mais pontos ao seu próprio grupo do que ao grupo externo no paradigma de grupo mínimo, porque, nessas circunstâncias, o favoritismo em grupo é a única maneira de alcançar uma distinção positiva.

Referências

  1. «Experiments in intergroup discrimination (abstract)». Scientific American. 223. JSTOR 24927662 
  2. Ver "Experiência de Kandinsky versus Klee", Tajfel et al. (1971) em Tajfel, H. (1970).
  3. «The dark side of self and social perception: Black uniforms and aggression in professional sports». Journal of Personality and Social Psychology. 54. doi:10.1037/0022-3514.54.1.74 
  4. a b c «Social categorization and intergroup behaviour». European Journal of Social Psychology. 1. doi:10.1002/ejsp.2420010202 
  5. a b
  6. «Vladimir's choice and the distribution of social resources: A group dominance perspective». Group Processes & Intergroup Relations. 10. doi:10.1177/1368430207074732 
  7. Sidanius, Jim; Pratto, Felicia. Social Dominance. An Intergroup Theory of Social Hierarchy and Oppression. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-521-80540-7 
  8. Sherif, M. (1967) Conflito em grupo e cooperação. Londres: Routledge.
  9. «Social Identity, System Justification, and Social Dominance: Commentary on Reicher, Jost et al., and Sidanius et al.». Political Psychology. 25. doi:10.1111/j.1467-9221.2004.00400.x 
  10. Haslam, AS (2001). Psicologia nas Organizações. Londres, Publicações SAGE.
  11. «Interindividual behaviour and intergroup behaviour». Differentiation between social groups: Studies in the social psychology of intergroup relations 
  12. «Cross-cultural studies of minimal groups: Implications for the social identity theory of intergroup relations». Social identity and intergroup relations 
{{bottomLinkPreText}} {{bottomLinkText}}
Paradigma do grupo mínimo
Listen to this article