Partido Socialista Brasileiro (1985)

partido político no Brasil / De Wikipedia, a enciclopédia livre

O Partido Socialista Brasileiro (PSB) é um partido político brasileiro de centro-esquerda à esquerda fundado em 1985 e registrado oficialmente em 1988.[6][1] Foi criado por um grupo político que reivindicou a legenda e sigla do antigo PSB. O partido utiliza como símbolo uma pomba da paz[6] e suas cores são vermelho, amarelo e branco.[18] Com 627.389 filiados em dezembro de 2022, o PSB é o nono maior do país, localizados em São Paulo, Rio Grande do Sul e Minas Gerais os estados com mais membros.[11]

Quick facts: Partido Socialista Brasileiro peessebista • s...
Partido Socialista Brasileiro
peessebista • socialista
"Socialismo e Liberdade."
Partido Socialista Brasileiro (1985)
Número eleitoral 40[1]
Presidente Carlos Siqueira[2]
Secretário-geral Renato Casagrande [3]
Vice-presidente Paulo Câmara
[2]

João Campos [4]

Presidente de honra Ariano Suassuna (até 2014)[5]
Fundação 2 de julho de 1985 (37 anos)[6]
Registro 1 de julho de 1988 (34 anos)[1]
Sede Brasília, DF
Ideologia

Minoria:

Espectro político Centro-esquerda à esquerda[10]
Think tank Fundação João Mangabeira
Ala jovem Juventude Socialista Brasileira (JSB)
Ala feminina Mulheres Socialistas
Antecessor Partido Socialista Brasileiro
Membros (2022) 627.389 filiados[11]
Afiliação internacional
Governadores (2023)
3 / 27
Prefeitos (2020)[14]
254 / 5 568
Senadores (2023)[15]
3 / 81
Deputados federais (2023)[16]
14 / 513
Deputados estaduais (2018)
70 / 1 024
Vereadores (2020)[17]
3 029 / 56 810
Cores      Vermelho
     Branco
     Amarelo[18]
Símbolo eleitoral
Bandeira do partido
Página oficial
www.psb40.org.br
Política do Brasil

Partidos políticos

Eleições

Close

O partido teve membros ocupando importantes postos nos governos dos presidentes Itamar Franco, Luís Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff e Michel Temer.[6] Colocou-se como oposição aos governos de Fernando Collor e Fernando Henrique Cardoso e, em determinados momentos, também aos governos de Dilma e de Temer.[6] Atualmente, tem filiados no alto escalão do governo de Luís Inácio Lula da Silva, como o vice-presidente Geraldo Alckmin.