Superaglomerado Corona Borealis - Wikiwand
For faster navigation, this Iframe is preloading the Wikiwand page for Superaglomerado Corona Borealis.

Superaglomerado Corona Borealis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Superaglomerado Corona Borealis
Dados observacionais (J2000)
Constelação Corona Borealis
Redshift 0,07[1]
Características físicas
Massa 0,6-12 x 1016[2] M

O Superaglomerado Corona Borealis é um superaglomerado localizado na constelação Corona Borealis e o exemplo mais proeminente de seu tipo no Hemisfério Celeste do Norte. [3] Densa e compacta em comparação com outros superaglomerados, sua massa foi calculada em algo entre 0,6 e 12 × 1016 massas solares (M⊙). Ele contém os aglomerados de galáxias Abell 2056, Abell 2061, Abell 2065 (o aglomerado de galáxias mais massivo dentro do superaglomerado), Abell 2067, Abell 2079, Abell 2089 e Abell 2092. Destes, Abell 2056, 2061, 2065, 2067 e 2089 são gravitacionalmente ligados e em processo de colapso para formar um único aglomerado massivo. [2] Esta entidade tem uma massa estimada de cerca de 1 × 1016 M⊙. Se houver massa entre os grupos, então Abell 2092 também pode estar envolvido. [2] Estima-se que tenha 100 megaparsecs (330 milhões de anos-luz ) de largura e 40 megaparsecs (130 milhões de anos-luz) de profundidade. [3] Tem um desvio para o vermelho de 0,07, [1] que equivale a uma distância de cerca de 265,5 megaparsecs (964 milhões de anos-luz).

História observacional

Os astrônomos C. Donald Shane e Carl A. Wirtanen foram os primeiros a notar uma concentração ou "nuvem" de "nebulosas extragalácticas" na região durante um levantamento em larga escala de estruturas extragalácticas no céu. [4] George Abell foi o primeiro a notar a presença do que ele chamou de "aglomerados de segunda ordem", ou seja, aglomerados de aglomerados, na primeira publicação de seu catálogo Abell em 1958. [5]

Marc Postman e seus colegas foram os primeiros a estudar detalhadamente o superaglomerado em 1988, calculando-o como tendo uma massa de 8.2 × 1015 massas solares e contendo os aglomerados Abell 2061, Abell 2065, Abell 2067, Abell 2079, Abell 2089 e Abell 2092. Abell 2124 encontra-se a 33 megaparsecs (110 milhões de anos-luz) do centro do superaglomerado e foi considerado parte do grupo por alguns autores. [1]

Abell 2069 é mais distante, com uma associação apenas de linha de visão. [1]

Veja também

Referências

  1. a b c d «The dynamics of the Corona Borealis supercluster». Astronomical Journal. 95. Bibcode:1988AJ.....95..267P. doi:10.1086/114635 
  2. a b c «The Largest Gravitationally Bound Structures: The Corona Borealis Supercluster - Mass and Bound Extent». Mon. Not. R. Astron. Soc. 441. Bibcode:2014MNRAS.441.1601P. arXiv:1404.1308Acessível livremente. doi:10.1093/mnras/stu693 
  3. a b «BeppoSAX temperature maps of galaxy clusters in the Corona Borealis supercluster: A2061, A2067 and A2124». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 353. Bibcode:2004MNRAS.353.1219M. arXiv:astro-ph/0406538Acessível livremente. doi:10.1111/j.1365-2966.2004.08148.x 
  4. «The distribution of extragalactic nebulae». Astronomical Journal. 59. Bibcode:1954AJ.....59..285S. doi:10.1086/107014 
  5. «The distribution of rich clusters of galaxies. A catalogue of 2712 rich clusters found on the National Geographic Society Palomar Observatory Sky Survey» (PDF). The Astrophysical Journal Supplement Series. 3. Bibcode:1958ApJS....3..211A. doi:10.1086/190036 
{{bottomLinkPreText}} {{bottomLinkText}}
Superaglomerado Corona Borealis
Listen to this article