Física da matéria condensada - Wikiwand
For faster navigation, this Iframe is preloading the Wikiwand page for Física da matéria condensada.

Física da matéria condensada

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Física ∇ ⋅ B = 0 {\displaystyle \nabla \cdot \mathbf {B} =0} ∇ × E = − ∂ B ∂ t {\displaystyle \nabla \times \mathbf {E} =-{\frac {\partial \mathbf {B} }{\partial t))} ∇ ⋅ E = ρ {\displaystyle \nabla \cdot \mathbf {E} =\rho } ∇ × B = ∂ E ∂ t + J {\displaystyle \nabla \times \mathbf {B} ={\frac {\partial \mathbf {E} }{\partial t))+\mathbf {J} } As Equações de Maxwell Física História da Física Filosofia da Física Divisões elementares Mecânica clássica Mecânica quântica Termodinâmica Eletromagnetismo Relatividade Grandezas Físicas Comprimento Área Volume Tempo Ângulo plano Ângulo sólido Velocidade Velocidade angular Frequência Vazão Fluxo Aceleração Aceleração angular Força Pressão Torque Energia Calor Trabalho Temperatura Capacidade térmica Calor específico Condutividade térmica Potência Massa Densidade Quantidade de matéria Carga elétrica Corrente elétrica Tensão elétrica Resistência elétrica Resistividade Condutividade Condutância Capacitância Indutância Momento do dipolo elétrico Campo elétrico Momento de dipolo magnético Campo magnético Fluxo magnético Convergência Campos de pesquisa Física teórica Física aplicada Astrofísica Óptica Biofísica Física dos materiais Física de superfícies Física da matéria condensada Geofísica Física de partículas Física nuclear Cientistas Galileu Galilei Isaac Newton Rudolf Clausius Ludwig Boltzmann Charles-Augustin de Coulomb André-Marie Ampère Carl Friedrich Gauss Michael Faraday Hans Christian Ørsted James Clerk Maxwell Max Planck Albert Einstein Ernest Rutherford Niels Bohr Louis de Broglie Erwin Schrödinger Richard Feynman Henry Cavendish Robert Andrews Millikan Experimentos Pêndulo de Foucault Espalhamento de Rutherford Experiência de Cavendish Experimento da dupla fenda Experiência de Millikan Experimento de Davisson-Germer Experiência de Michelson-Morley Experimento de Franck-Hertz Experimento de Stern-Gerlach Experimento de Ørsted Experimentos atuais Colisor Relativístico de Íons PesadosGrande Colisor de Hádrons (LHC) Telescópio Espacial James Webb Esta caixa: verdiscutireditar

Física da matéria condensada é o campo da física que trata das propriedades físicas da matéria. Em particular, é a que se ocupa com a fase "condensada" que aparece sempre que o número de constituintes de um sistema (átomos, elétrons, etc.) é extremamente grande e as interações entre os constituintes são fortes. Os exemplos mais familiares de fases condensadas são o sólidos e líquidos, que se originam da força elétrica entre os átomos. Fases condensadas mais exóticas incluem o superfluido e o condensado de Bose-Einstein descobertos em certos sistemas atômicos sob temperaturas muito baixas, a fase supercondutora caracterizada pela condução elétrica em certos materiais, e as fases ferromagnéticas e antiferromagnéticas do spin em um sistema cristalino. A física da matéria condensada é uma área da física cujo objeto de investigação engloba o da física do estado sólido e inclui sólidos amorfos e líquidos.[1]

Física da matéria condensada é de longe o maior campo da física contemporânea. Por estimativas, um terço de todos os físicos norte-americanos identificam-se como "físico de matéria condensada". Historicamente, a física da matéria condensada cresceu a partir da Física do Estado Sólido, que é agora considerada uma de seus subcampos. O termo "Física da Matéria Condensada" foi aparentemente inventado por Philip Anderson quando renomeou sua equipe de pesquisadores - previamente "teoria do estado sólido" - em 1967. Em 1978, a Divisão de Física do Estado Sólido na American Physical Society (Sociedade Americana de Física) foi renomeada como Divisão da Física da Matéria Condensada.

Uma das razões para chamar o campo de "Física da Matéria Condensada" é que muitos de seus conceitos e técnicas desenvolvidas para estudos de sólidos na verdade se aplicam a sistemas de fluidos. Por exemplo, a condução de elétrons em um condutor elétrico forma um tipo de fluido quântico com essencialmente as mesmas propriedades dos fluidos compostos de átomos. De fato, o fenômeno da supercondutividade, na qual os elétrons se condensam em um novo fluido onde eles podem fluir sem dissipação, é muito análogo a fase do superfluido encontrado no hélio 3 a baixas temperaturas, cujos estudos, atualmente, são considerados também como uma sub-área do campo "Física da Matéria Condensada".

A física da matéria condensada pesquisa, por exemplo, a nanociência, que se baseia na habilidade de manipular átomos e fabricar sistemas artificiais em escala atômica para estudar e testar teorias da física básica como a mecânica quântica. As ideias e a possibilidade da nanociência foram propostas pela primeira vez pelo físico Richard Feynman, na década de 1950, mas só foram possíveis a partir da década de 1970, quando as primeiras heteroestruturas de semicondutores foram fabricadas em laboratório. Uma área de extrema importância na atualidade, que resulta das atividades na nanociência, é a nanotecnologia campo em que a Física da Matéria Condensada se inter-relaciona com a Ciência dos Materiais.

Tópicos em física da matéria condensada

Referências

  1. Roditi, Itzhak. Dicionário Houaiss de Física. Instituto Antonio Houaiss; 2005. ISBN 9788573026948. p. 95.

Ver também

{{bottomLinkPreText}} {{bottomLinkText}}
Física da matéria condensada
Listen to this article