Osmar do Amaral Barbosa (São Paulo, 18 de agosto de 1947), mais conhecido como Osmar Prado, é um ator, escritor e produtor brasileiro.[1] Sendo um dos mais prestigiados atores brasileiros, ele recebeu vários prêmios, incluindo dois Prêmios APCA, um Prêmio Guarani, dois Prêmios Qualidade Brasil, e um Troféu Imprensa.[2]

Quick facts: Osmar Prado...
Osmar Prado
Osmar Prado
Prado durante manifestação contra o impeachment de Dilma Rousseff
Nome completo Osmar do Amaral Barbosa
Outros nomes Osmar Prado
Nascimento 18 de agosto de 1947 (75 anos)
São Paulo, SP
Nacionalidade brasileiro
Cônjuge Vânia Penteado (c.1990)
Ocupação Ator, escritor, produtor, dublador e radioator
Período de atividade 1957–presente
Prêmios Lista
Close

Osmar iniciou sua carreira ainda criança atuando na novela infantil David Copperfield (1958), da TV Paulista. Nos anos seguintes continuou desenvolvendo trabalhos na emissora e também iniciou carreira no teatro profissional, com participações recorrentes em ambas áreas. Em 1973 recebeu seu primeiro protagonista na televisão, o caipira Juba da novela Bicho do Mato, na TV Globo.[3] Desde então, passou a integrar o elenco de atores da emissora se destacando em inúmeras produções, como Estácio de Helena (1975), Getúlio de Anjo Mau (1976), Pepo de Pai Herói e Tabaco de Roda de Fogo (1986).

Ele também se consolidou como um dos grandes atores do teatro brasileiro. Por seu desempenho na peça Uma Rosa Para Hitler (1993), ele venceu seu primeiro Prêmio APCA como Melhor Ator de Teatro. Seu primeiro grande sucesso na televisão aconteceu na novela Renascer (1993) interpretando o catador de caranguejos Tião Galinha. Com esse trabalho, Osmar se tornou ainda mais popular e venceu seu segundo Prêmio APCA como Melhor Ator Coadjuvante em Televisão.Em Sangue do Meu Sangue (1995), novela do SBT, ele foi aclamado pela crítica por sua atuação como o inescrupuloso Clóvis Camargo, que lhe rendeu o Troféu Imprensa de Melhor Ator.

Osmar se consagrou como um dos maiores atores da teledramaturgia brasileira sendo um dos nomes mais recorrentes nas produções da TV Globo na década de 2000 e 2010. Em sua carreira foi prestigiado diversas vezes por sua versatilidade na atuação. Entre seus papéis notáveis nesse período, incluem-se o dependente químico Lobato em O Clone (2001), o divertido Margarido em Chocolate com Pimenta (2003), o Pai na antológica minissérie Hoje É Dia de Maria (2005), o poderoso Cícero em Ciranda de Pedra (2008) e o coronel Epaminondas Napoleão em Meu Pedacinho de Chão (2014).[4]

No cinema, se destacou no filme histórico Desmundo (2003), como Francisco de Albuquerque, pelo qual recebeu sua primeira indicação ao Prêmio Guarani de Melhor Ator Coadjuvante. Interpretou o presidente Getúlio Vargas no filme biográfico Olga (2004), recebendo elogios por sua atuação, que lhe rendeu o Prêmio Qualidade Brasil de Melhor Ator Coadjuvante em Cinema. Em 10 Segundos para Vencer (2019), Osmar recebeu aclamação por sua atuação como o treinador Kid Jofre. Por esse papel, ele foi eleito Melhor Ator pelo Festival de Gramado e venceu o Prêmio Guarani de Melhor Ator Coadjuvante.