Roubo - Wikiwand
For faster navigation, this Iframe is preloading the Wikiwand page for Roubo.

Roubo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Esta página ou seção está redigida sob uma perspectiva principalmente brasileira e pode não representar uma visão mundial do assunto. Por favor aperfeiçoe este artigo ou discuta este caso na página de discussão.
Crime de
Roubo
no Código Penal Brasileiro
Artigo 157
Título Dos crimes contra o patrimônio
Capítulo Do Roubo e da extorsão
Pena Reclusão, de 4 a 10 anos, e multa (caput)
Ação Pública incondicionada
Competência Juiz singular
Cartaz anunciando recompensa para quem capturasse Jesse James, notório assaltante de bancos e trens.
Cartaz anunciando recompensa para quem capturasse Jesse James, notório assaltante de bancos e trens.

Roubo é o ato de subtrair coisa móvel alheia, para si ou para outrem, mediante grave ameaça ou violência a pessoa, ou depois de havê-la, por qualquer meio, reduzido à impossibilidade de resistência.

No ordenamento jurídico brasileiro

No Brasil, essa conduta humana constitui tipo penal previsto no art. 157, caput, do Código Penal. A pena prevista para esse crime é a reclusão, de quatro a dez anos, e multa.

Na mesma pena incorre quem, logo depois de subtraída a coisa, emprega violência contra pessoa ou grave ameaça, a fim de assegurar a impunidade do crime ou a detenção da coisa para si ou para terceiro. Trata-se do roubo impróprio ou por aproximação (art. 157, § 1º do Código Penal).

Convém salientar que a diferença principal entre o roubo próprio e o impróprio é que no primeiro caso a violência é empregada antes ou durante a subtração. Já no segundo caso, a violência é empregada após a subtração da coisa.

A pena será aumentada de um terço até metade quando há participação de duas ou mais pessoas; caso a vítima esteja em serviço de transporte de valores e o agente conhece tal circunstância; no caso da subtração se tratar de veículo automotor que venha a ser transportado para outro Estado ou para o exterior; se o agente mantém a vítima em seu poder, restringindo sua liberdade; e também, quando a violência ou ameaça é exercida com emprego de arma (a Súmula 174 do STJ aplicava a majorante também para a arma de brinquedo, contudo essa se encontra cancelada).

E, ainda, conforme Súmula 443 do STJ, o aumento na terceira fase de aplicação da pena no crime de roubo circunstanciado exige fundamentação concreta, sendo insuficiente para a sua exasperação a mera indicação do número de majorantes.

Além disso, vide Lei n. 13.654/2018, levando em consideração que a violência resulta lesão corporal grave, a pena é de reclusão, de 7 (sete) a 18 (dezoito) anos, além da aplicação de multa. Na hipótese do mesmo crime ser cometido por alguma entidade estatal, não há nenhuma pena prevista.

É importante enfatizar que trata-se do chamado latrocínio o roubo com morte, é considerado crime hediondo, nos termos do art. 1º, II da Lei n. 8.072/90. No referido crime a morte da vítima pode ser causada por dolo ou culpa do agente e, ainda, de acordo com a Súmula 610 do STF, há crime de latrocínio quando o homicídio se consuma mesmo sem que o agente realize a subtração de bens da vítima.

Portanto, o conceito jurídico de roubo não se confunde com o latrocínio, uma vez que se trata de outro tipo penal previsto no art. 157, § 3º do Código Penal com pena de reclusão de 20 (vinte) a 30 (trinta) anos, e multa, sendo a competência para o processo e julgamento do juiz singular e não do Tribunal do Júri (Súmula 603, STF).

Violência ou grave ameaça

Segundo a doutrina jurídica a expressão "grave ameaça" consiste em violência moral, enquanto a palavra "violência" significa a violência física ou real, assim leciona o jurista Guilherme Nucci:

“O termo violência, quando mencionado nos tipos penais, como regra, é traduzido como toda forma de constrangimento físico voltado à pessoa humana. Lembramos, no entanto, que violência, na essência, é qualquer modo de constrangimento ou força, que pode ser físico ou moral. Logo bastaria mencionar nos tipos, quando fosse o caso, a palavra violência, para se considerar a física e a moral, que é a grave ameaça. Mas, por tradição, preferiu o legislador separá-las, citando a grave (violência moral) e a violência, esta considerada, então, física ou real.” (NUCCI, Guilherme de Souza. Código Penal comentado. 10ª Ed. São Paulo)

Consumação e tentativa

O crime de roubo diz-se consumado, de acordo com o Supremo Tribunal Federal (HC 110642-RS, 2ª T. Rel. Ayres Britto, 29.11.201, v.u), quando há posse da res furtiva, a coisa alheia móvel, pelo criminoso, ainda que se dê de forma momentânea. Assim, o fundamento teórico da consumação do roubo está na teoria da apprehensio ou amotio, bastando a inversão da posse do bem mediante emprego de violência ou grave ameaça contra a vítima.

Tal entendimento está expresso, também, na Súmula 582 do STJ na qual expõe que o crime de roubo consuma-se com a inversão da posse do bem mediante emprego de violência ou grave ameaça, ainda que por breve tempo e em seguida à perseguição imediata ao agente e recuperação da coisa roubada, sendo prescindível a posse mansa e pacífica ou desvigiada.

Em outros termos, para o Tribunal, é considerado que houve roubo quando o criminoso obtém, ainda que por brevíssimo tempo, aquilo que desejou furtar. Isto posto, não é relevante se o agente foi pego segundos após ter obtido a coisa, se durante a fuga, enquanto corria dos policiais, ou dias depois, quando já estava com os bens do roubo incontestavelmente para si.

O tipo do roubo comporta por óbvio a tentativa, que nos termos do HC 92450, consiste no caso em que o agente inicia os atos da execução do crime, mas não vem a consuma-lo, por motivos alheios a sua vontade.

Classificação doutrinária

Quanto a sua classificação doutrinária leciona-se que se trata de:

  • crime comum, posto que não exige qualidade especial do sujeito passivo ou do ativo;
  • material, pois exige resultado naturalístico, consistente na diminuição do patrimônio da vítima;
  • de forma livre, já que pode ser cometido por qualquer meio eleito pelo agente;
  • comissivo, pois sua pratica exige uma ação, excepcionalmente omissivo impróprio, quando aplicado o art.13  §2º do Código Penal;
  • instantâneo, pois produz resultado de forma imediata e não prolongada no tempo;
  • de dano, pois consuma-se com a efetiva lesão a um bem jurídico;
  • unissubjetivo, pois pode ser praticado por um só agente;
  • plurissubsistente (em regra, vários atos integram a conduta);
  • complexo, uma vez que é formado por meio da reunião entre dois ou mais tipos penais (ex.: crime de furto, ameaça, lesão corporal ou constrangimento ilegal); e
  • admite tentativa.

Objeto material

O objeto material é a coisa móvel alheia subtraída e, também, a pessoa que sofreu a violência ou a grave ameaça.

Bens jurídicos protegidos

Os bens jurídicos que a lei visa proteger são a propriedade, posse e a integridade física e psíquica da vítima.

Sujeitos

Qualquer pessoa pode ser sujeito ativo do crime de roubo. Enquanto que o sujeito passivo ainda pode ser qualquer pessoa, proprietário ou possuidor legítimo da coisa ou, até, mero detentor da coisa. Sendo possível também que o sujeito passivo da violência ou ameaça seja diverso do sujeito passivo da subtração. Então, ambos serão vítimas do crime de roubo.

Elemento subjetivo

O elemento subjetivo do roubo é o dolo, ou seja, consiste na vontade de subtrair coisa alheia pra si ou outrem, com o emprego de violência, grave ameaça ou mediante outro recurso análogo.

Modalidade comissiva

O crime de roubo pressupõe necessariamente a conduta comissiva do agente na medida em que exige a subtração do bem alheio, isto significa, a ação efetiva de subtrair algo.

Pena, ação penal e suspensão condicional do processo

A pena cominada para o crime é de reclusão, de quatro a dez anos, e multa nos casos de roubo próprio e impróprio.

Na hipótese de roubo majorado ou circunstanciado a pena poderá ser aumentada de um terça até metade.

Já com relação ao roubo qualificado, se a violência resultar em lesão corporal grave a pena é de reclusão, de sete a dezoito anos, e multa. Ademais, se a violência resultar em morte a pena é de reclusão, de vinte a trinta anos, e multa.

A ação penal como forma adequada para o início do processo penal é de iniciativa pública incondicionada.

Considerando a desclassificação do delito e a procedência parcial da pretensão punitiva é facultado ao Ministério Público a oportunidade de se manifestar acerca do oferecimento do benefício da suspensão condicional do processo.

Princípio da insignificância

O princípio da insignificância não incide sobre o crime de roubo, porque o crime de roubo é praticado, impreterivelmente, através do uso de violência ou grave ameaça à pessoa.

Dessa maneira, o princípio da bagatela não se aplica ao crime de roubo mesmo que o valor ou o bem roubado seja insignificante e não cause um prejuízo relevante ao patrimônio da vítima. Dado que, a violência empregada na prática do crime já torna a conduta irremediavelmente relevante para o Direito Penal brasileiro, afastando a arguição de atipicidade provocada pela eventual bagatela da coisa subtraída.

A polêmica das armas de brinquedo

A utilização da arma de brinquedo foi objeto de debate na doutrina e nos tribunais, porque na época da hoje cancelada Súmula 174 STJ, se entendia que mesmo sendo uma arma de brinquedo a ameaça que a vítima sofria era relevante de qualquer forma, posto que ela desconhecia a característica peculiar da arma utilizada, razão pela geraria incidência da causa de aumento da pena.

Entretanto, atualmente, com o cancelamento da mencionada Súmula, entende-se que apesar de ser incontestável o temor e a ameaça que a vítima sente, a arma de brinquedo não tem potencial de lhe causar lesão e, por isso, não justifica a causa de aumento, ao passo que a ameaça seria nada mais do que parte do tipo roubo, e por isso não pode ser usada também como argumento para causa de aumento. Conforme melhor entendimento de Nucci:

"(...) Ora, levando-se em conta a teoria objetiva, somos levados a não considerar que a arma de brinquedo seja capaz de gerar a causa de aumento da pena, uma vez que não causa à vítima maior potencialidade lesiva. É indiscutível que a arma de brinquedo pode gerar grave ameaça, e justamente por isso, ela serve para configurar o tipo penal do roubo, na sua figura simples (jamais a causa de aumento)."

Alterações relevantes promovidas pela Lei n. 13.654/2018

  • Antes da alteração promovida pela Lei n. 13.654/2018 a prática pelo crime de roubo tinha a pena aumentada de 1/3 a 1/2 quando a violência ou ameaça fosse exercida com o emprego de arma. Logo, como a lei não fazia referência expressa ao uso de "arma de fogo" ocorria, também, a incidência do aumento de pena nos assaltos promovidos com uso de arma branca.
  • A Lei em questão promoveu a revogação do inciso I do § 2º do art. 157 do Código Penal, com isso, atualmente um crime de roubo praticado com arma que não seja de fogo configura roubo simples, devendo a arma diversa ser considerada pelo juízo como circunstância negativo no momento de fixação da pena-base (art. 59 do Código Penal).
  • A anteriormente comentada alteração reitera e reforça o entendimento do Superior Tribunal de Justiça no sentido de que a utilização de arma de brinquedo não autoriza o aumento da pena (revogação da Súmula 174 do STJ).
  • A Lei n. 13.654/2018 criou novas causas de aumento de pena enunciadas no recente § 2º-A em que ocorre o aumento de 2/3 da pena se a violência ou ameaça é exercida com emprego de arma de fogo; e quando há destruição ou rompimento de obstáculo mediante o emprego de explosivo ou de artefato que cause perigo comum.

Ver também

Este artigo sobre direito é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.vde
{{bottomLinkPreText}} {{bottomLinkText}}
Roubo
Listen to this article