cover image

A América Central (em castelhano: América Central, Centroamérica) é uma região da América limitado ao norte pela Península de Iucatã, no México e ao sul pela Colômbia, limitado a Oeste com o Oceano Pacífico e a Leste com o Oceano Atlântico. Apesar de considerada um dos subcontinentes da América, esta região localiza-se numa placa tectónica própria: a Placa Caribeana. Assim, é formada pela faixa central do continente americano compreendendo os Estados soberanos ístmicos e antilhanos mais as dependências situadas no mar do Caribe (ou mar das Caraíbas).

América Central

Mapa da América Central


Localização da América Central no globo terrestre.
Gentílico centro-americano
Vizinhos América do Norte e América do Sul
Divisões  
 - Países20
 - Dependências16
Área  
 - Total742 204[1] km²
 - Maior país Nicarágua
 - Menor país São Cristóvão e Nevis
Extremos de elevação  
 - Ponto mais altoMonte Tajumulco, Guatemala (4 220 m nmm)
 - Ponto mais baixoMar do Caribe (0 m nmm)
População  
 - Total92 000 000[2] habitantes
 - Densidade175,9 hab./km²
Idiomas Inglês, espanhol, francês e holandês

Existem montanhas ao longo de toda a região, sendo que as situadas ao sul são uma continuação dos Andes; a mais alta é o monte Tajumulco, na Guatemala, com 4 220 metros de altitude. A maioria é vulcânica, pois a região fica numa junção entre uma placa de crosta e uma perigosa zona de terremotos. Os dois grandes lagos da Nicarágua interrompem a cadeia. O clima é tropical, embora acima de 760 m a temperatura seja mais amena e haja o cultivo do café. Cria-se gado, especialmente em Honduras. Nos outros lugares a cinza vulcânica fertilizou a terra possibilitando a lavoura de bananas, cana-de-açúcar, milho e frutas. As montanhas do Pacífico descem íngremes em direção à costa, enquanto na direção do norte e do leste, na península de Yucatan e nas planícies costeiras, descem suavemente em direção ao mar. No leste a chuva é pesada; os rios trazem grandes quantidades de limo e há uma floresta densa atrás dos mangues das praias. A região possui grandes depósitos de petróleo e gás, assim como de prata e ouro.

Já era povoada por diversos grupos aborígenes quando os primeiros europeus aí chegaram, no começo do século XVI. Sua colonização de origem europeia foi iniciada a partir das colônias caribenhas de Hispaniola e Cuba. De 1535 a 1810, a América Central, com exceção do Panamá, fez parte do Vice-Reino da Nova Espanha e ficou sob jurisdição do vice-rei que governava a partir da Cidade do México.

Com a independência dos países da América Central Ístmica da Espanha, em 1821, a maior parte da área foi anexada até 1822 ao Império Mexicano de Augustín de Iturbide. De 1823 a 1838, tentou uma confederação política, a União das Províncias da América Central (Costa Rica, Guatemala, Honduras, Nicarágua e El Salvador), mas esta foi derrubada pela rivalidade entre grupos liberais e conservadores e por ciúmes regionais. Em 1839 a unidade política foi extinta. Caudilhos militares dominaram no restante do século XIX. O aventureiro americano William Walker invadiu a Nicarágua (1855-1857). Os britânicos ocuparam San Juan del Norte Greytown (1848) e as ilhas da baía de Honduras, a fim de conseguir o controle da costa de Mosquito e bloquear os planos americanos de construir um canal interoceânico, enquanto exerceram pressão diplomática para assegurar ao uso do canal em toda a região. Em 1951, formou-se a Organização dos Estados Centro-Americanos, para ajudar as resolver os problemas em comum. A Comissão Econômica para a América Latina, órgão das Nações Unidas, encorajou a cooperação em assuntos de produção, tarifas e comércio entre os países membros da Associação Latino-Americana de Livre Comércio (que passou a se chamar, em 1980, Associação para Integração Latino-Americana) e o Mercado Comum Centro-Americano.