Tim Maia, nome artístico de Sebastião Rodrigues Maia[1] (Rio de Janeiro, 28 de setembro de 1942Niterói, 15 de março de 1998),[1] foi um cantor, compositor, maestro, produtor musical, instrumentista e empresário brasileiro, responsável pela introdução dos gêneros soul e funk na música popular brasileira e reconhecido como um dos maiores ícones da música no Brasil. Nasceu e cresceu na cidade do Rio de Janeiro, onde, durante a juventude, conviveu com Jorge Ben Jor e Erasmo Carlos. Em 1957, fundou o grupo The Sputniks, no qual cantou junto a Roberto Carlos. Em 1959, emigrou para os Estados Unidos, onde teve seus primeiros contatos com o soul, vindo a ser preso e deportado por roubo e porte de drogas. Em 1970, gravou seu primeiro álbum, intitulado Tim Maia, que, rapidamente, tornou-se um sucesso com músicas como "Azul da Cor do Mar" e "Primavera".

Quick facts: Tim Maia, Informação geral...
Tim Maia
Tim Maia
Tim Maia em 1972
Informação geral
Nome completo Sebastião Rodrigues Maia[1]
Também conhecido(a) como
  • Tião
  • Síndico
  • Pai da Soul Music Brasileira
Nascimento 28 de setembro de 1942
Local de nascimento Rio de Janeiro, DF
Brasil
Morte 15 de março de 1998 (55 anos)
Local de morte Niterói, RJ
Brasil
Nacionalidade brasileira
Gênero(s)
Ocupação(ões)
Instrumento(s)
Período em atividade 1957 - 1998
Gravadora(s)
Afiliação(ões)
Página oficial www.timmaia.com.br
Close

Nos três anos seguintes, lançou vários discos homônimos, fazendo sucesso com canções como "Não Quero Dinheiro (Só Quero Amar)" e "Gostava Tanto de Você". De julho de 1974 a 25 de setembro de 1975, aderiu à doutrina filosófico-religiosa conhecida como Cultura Racional, lançando, nesse período, dois discos, com destaque para "Que Beleza" e "O Caminho do Bem".[7][8] Desiludiu-se com a doutrina e voltou ao seu estilo de música anterior, lançando sucessos como "Descobridor dos Sete Mares" e "Me Dê Motivo". Muitas de suas músicas foram gravadas sob a editora Seroma e a gravadora Vitória Régia Discos, sendo um dos primeiros artistas independentes do Brasil. Ganhou o apelido de "síndico do Brasil" de seu amigo Jorge Ben Jor na música W/Brasil. Na década de 1990, diversos problemas assolaram a vida do cantor: problemas com as Organizações Globo e a saúde precária, devido ao uso constante de drogas ilícitas e ao agravamento de seu grau de obesidade. Sem condições de realizar uma apresentação no Teatro Municipal de Niterói, saiu em uma ambulância e, após duas paradas cardiorrespiratórias, morreu em 15 de março de 1998. É amplo seu legado à história da música brasileira, e sua obra veio a influenciar diversos artistas, como seu sobrinho Ed Motta e seu filho Léo Maia (também cantores).[9] A revista Rolling Stone Brasil classificou Tim Maia como o maior cantor brasileiro de todos os tempos,[10] e também como o 9º maior artista da música brasileira.[11]