cover image

Colômbia (em castelhano: Colombia, pronunciado: [koˈlombja] (escutar )), oficialmente República da Colômbia (em castelhano: ? República de Colombia), é uma república constitucional do noroeste da América do Sul. A Colômbia faz fronteira a leste com a Venezuela[4] e Brasil;[5] ao sul com o Equador e Peru;[6] para o norte com o Mar do Caribe, ao noroeste com o Panamá; e a oeste com o Oceano Pacífico. A Colômbia também tem fronteiras marítimas com a Venezuela, Jamaica, Haiti, República Dominicana, Honduras, Nicarágua e Costa Rica.[7] Com uma população de mais de 50 milhões de pessoas, a Colômbia tem a 28ª maior população do mundo e a segunda maior da América do Sul, depois do Brasil. A Colômbia é o terceiro país mais populoso com a língua espanhola como idioma oficial (depois do México e Espanha), e tem a quarta maior comunidade de língua espanhola no mundo depois do México, Estados Unidos e Espanha.[8]


República da Colômbia
República de Colombia
Brasão de armas da Colômbia
Bandeira da Colômbia Brasão das Armas
Lema: Libertad y Orden
(Espanhol: "Liberdade e Ordem")
Hino nacional: Himno Nacional de la República de Colombia
Gentílico: colombiano

Localização Colômbia

Capital Bogotá
Cidade mais populosa Bogotá
Língua oficial Espanhol
Governo República presidencialista unitária
 Presidente Gustavo Petro
 Vice-presidente Francia Márquez
Independência da Espanha 
 Declarada20 de Julho de 1810 
 Reconhecida7 de Agosto de 1819 
Área  
   Total1 138 914 km² (25.º)
  Água (%) 8,8
População  
   Estimativa para 202050 372 424 hab. (28.º)
  Densidade 42,7 hab./km² (37.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2015
  TotalUS$ 682,977 bilhões*[1] 
  Per capitaUS$ 14 164[1] 
PIB (nominal) Estimativa de 2015
  TotalUS$ 427,139 bilhões*[1] 
  Per capitaUS$ 8 030[1] 
IDH (2021) 0,752 (88.º)  alto[2]
Gini (2014) 53,8[3] 
Moeda Peso colombiano (COP)
Fuso horário (UTC−5)
Cód. Internet .co
Cód. telef. +57
Website governamental www.gov.co

O país é etnicamente muito diverso e a interação entre os descendentes dos primeiros habitantes indígenas, colonos espanhóis, africanos trazidos como escravos e imigrantes do século XX vindos da Europa e do Oriente Médio produziu um rico patrimônio cultural. Isso também foi influenciado pela geografia bastante variada da Colômbia. A maioria dos centros urbanos estão localizados nos Andes, mas o território colombiano também abrange a floresta amazônica, pastagens tropicais e os litorais do Caribe e do Pacífico. Ecologicamente, a Colômbia é um dos 17 países megadiversos do mundo (os de maior biodiversidade por unidade de área).[9]

O território que é hoje a Colômbia foi originalmente habitado por nações indígenas, como os chibchas, quimbaya e tairona. Os espanhóis chegaram em 1499, iniciaram um período de conquista e colonização que resultou na morte ou na escravização de cerca de 90% da população nativa e, em seguida, criaram o Vice-Reino de Nova Granada (que compreendia os territórios atuais de Colômbia, Venezuela, Equador, Panamá e a região noroeste do Brasil), com sua capital em Bogotá.[10] A independência do domínio espanhol foi conquistada em 1819, mas por volta de 1830 a "Grã Colômbia" se fragmentou com a secessão da Venezuela e do Equador. Os atuais países Colômbia e Panamá emergiram então como a República de Nova Granada. A nova nação experimentou um sistema político federalista durante a Confederação Granadina (1858) e, em seguida, nos Estados Unidos da Colômbia (1863), antes da República da Colômbia ser finalmente declarada em 1886.[11] O Panamá se separou em 1903 sob pressão para cumprir as responsabilidades financeiras para com o governo dos Estados Unidos para a construção do Canal do Panamá.

A Colômbia tem uma longa tradição do governo constitucional. Os partidos Liberal e Conservador, fundados em 1848 e 1849, respectivamente, são dois dos mais antigos sobreviventes partidos políticos nas Américas. No entanto, as tensões entre os dois têm frequentemente acabado em violência, principalmente na Guerra dos Mil Dias (1899-1902) e durante La Violencia, começando em 1948. Desde 1960, as forças do governo, os rebeldes de esquerda e paramilitares de direita têm estado envolvidos nos conflitos armados mais duradouros do continente. Alimentado pelo tráfico de cocaína, o conflito cresceu dramaticamente nos anos 1980. No entanto, na década de 2000, a violência diminuiu significativamente. Muitos grupos paramilitares se desmobilizaram como parte de um controvertido processo de paz com o governo, e os guerrilheiros perderam o controle em muitas áreas onde outrora dominavam.[11] A Colômbia, durante muitos anos, teve uma das maiores taxas de homicídio do mundo, sendo reduzida quase pela metade entre 1993 e 2005.[12] Assassinatos de sindicalistas também foram significativamente reduzidos desde a década de 1990, mas os sindicalistas continuam a ser ameaçados e assassinados, embora em um ritmo inferior ao da população geral.[13] Atualmente, o país é uma média potência permanente[14] com a quarta maior economia da América Latina, embora a desigualdade de renda seja prevalente e a riqueza seja mal distribuída. Em 2014, a Colômbia chegou a um coeficiente de Gini de 0,538. Os números oficiais de 2014 indicam que cerca de 28,5% dos colombianos viviam abaixo da linha da pobreza e cerca de 8,1% em "extrema pobreza".[3]