cover image

Pará é uma das 27 unidades federativas do Brasil. Está situado na Região Norte, sendo o segundo maior estado do país em extensão territorial, com uma área de 1 245 870,798 km², constituindo-se na décima-terceira maior subdivisão mundial. É maior que a área da Região Sudeste brasileira, com seus quatro estados, e um pouco menor que o estado norte-americano do Alasca. É dividido em 144 municípios, que possuem área média de 8 651,881 km². O maior deles é Altamira com 159 533 km², o quinto município mais extenso do mundo e o maior município do Brasil; o menor é Marituba, com 103 km². Sua capital é o município de Belém e seu atual governador é Helder Barbalho.

Estado do Pará
Brasão do Pará
Bandeira Brasão
Hino: Hino do Pará
Gentílico: paraense

Localização do Pará no Brasil

Localização
 - RegiãoNorte
 - Estados limítrofesAmazonas (O), Mato Grosso (S), Tocantins (SE), Maranhão (L), Amapá (NE), Roraima (NO), Guiana (N) e Suriname (N)
 - Regiões geográficas
   intermediárias
7
 - Regiões geográficas
   imediatas
21
 - Municípios144
Capital  Belém
Governo
 - Governador(a)Helder Barbalho (MDB)
 - Deputados federais17
 - Deputados estaduais41
 - SenadoresJader Barbalho (MDB)
Paulo Rocha (PT)
Zequinha Marinho (PL)
Área
 - Total1 245 870,798 km² () [1]
População 2021
 - Estimativa8 777 124 hab. ()[2]
 - Densidade 7,04 hab./km² (21º)
Economia 2020[3]
 - PIBR$ 215.936 bilhões (10º)
 - PIB per capitaR$ 24.846,62 (16º)
Indicadores 2010/2015[4][5]
 - Esperança de vida (2015) 71,9 anos (21º)
 - Mortalidade infantil (2015) 17,1‰ nasc. (11º)
 - Alfabetização (2010) 88,8% (16º)
 - IDH (2020) 0,698 (24º)  médio [6]
Fuso horário UTC−3
Clima Equatorial, tropical de monção e tropical de savana Af
Cód. ISO 3166-2 BR-PA
Site governamental http://www.pa.gov.br/

Mapa do Pará

Com 8,7 milhões de habitantes, é o estado mais populoso da Região Norte e o nono mais populoso do Brasil. Dois de seus municípios possuem população acima de 500 mil habitantes: Belém, a capital e sua maior cidade com 1,4 milhão de habitantes em 2018 e Ananindeua, com 525,5 mil habitantes.[7] O estado é ainda, subdividido em 7 regiões geográficas intermediárias e 21 regiões geográficas imediatas. Seus limites são com o estado do Amapá a norte, Roraima a noroeste, Amazonas a oeste, Mato Grosso a sul, Tocantins a sudeste, Maranhão a leste; além do Suriname e Guiana ao extremo norte.[8] O Pará possui uma densidade demográfica considerada baixa, sendo superado apenas por Rondônia em sua macrorregião. Conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, em 2018 a densidade demográfica equivalia a 6,70 habitantes por quilômetro quadrado.[9] Existem duas regiões metropolitanas no estado: a Belém e Santarém, com população de 2,5 milhões e 335 mil habitantes, respectivamente.

A região que hoje forma o estado do Pará foi explorada, inicialmente, pelo espanhol Francisco de Orellana. Orellana iniciou sua viagem partindo da foz do rio Amazonas, percorrendo todo o Vale Amazônico, enquanto descrevia em cartas as belezas e possíveis riquezas do local (como as drogas do sertão), com os fatos mais prováveis de chamar a atenção da coroa espanhola. A partir do século XVII a região foi denominada Conquista do Pará, passando a integrar a então Capitania do Maranhão da América Portuguesa. Em 1616 foi criada a Capitania do Grão-Pará e a cidade de Belém do Pará, quando os portugueses decidiram expandir seus domínios para o oeste. Posteriormente foi criando o Estado do Grão-Pará e Rio Negro, que englobava tanto o atual estado do Pará como a Capitania de São José do Rio Negro (atual estado do Amazonas).

O território paraense é coberto pela maior floresta tropical do mundo, a Amazônia. O relevo é baixo e plano; 58% do território se encontram abaixo dos 200 metros. As altitudes superiores a 500 metros estão nas seguintes serras: Serra dos Carajás, Serra do Cachimbo e Serra do Acari. Nos últimos anos, o estado experimentou um notável crescimento econômico, registrando um Produto interno bruto (PIB) considerado alto e uma urbanização maciça em suas maiores cidades. No entanto, o Pará ainda registra vários problemas sociais e ambientais, especialmente em seu interior. Vem do Pará o maior índice de desmatamento no Brasil, mesmo em áreas de preservação ambiental, alinhado a outras anomalias sociais.[10] Problemas como a pobreza e criminalidade são encontrados demasiadamente e o estado possui a segunda pior educação pública do Brasil, conforme o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD-Brasil), além do quarto menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da nação, com 0,698 (2017) e o município com a pior qualidade de vida em todo o país, Melgaço, situado na Ilha de Marajó.[11][12]